Em tempos de pandemia, lugar de criança é na escola?

Como professora de Educação Infantil da rede municipal do Rio, me preocupa o discurso e a pressão pelo retorno das aulas presenciais nas instituições de ensino, especificamente na Educação Infantil por se tratar de crianças tão pequenas. Entidades ligadas a esse segmento vieram a público recentemente expressar seus argumentos pela reabertura das unidades escolares. No dia 11 de setembro, no jornal Bom dia Rio da TV Globo, em matéria sobre a decisão da Justiça do Trabalho (TRT) que suspendeu a volta às aulas presenciais na rede particular do estado, a presidente da Associação Brasileira de Educação Infantil (Asbrei) fez uma fala que mostrou desconhecimento sobre a rotina, os princípios de trabalho na Educação Infantil e o impacto que esse retorno precoce pode causar. Em sua fala, o argumento utilizado para defender esse retorno é que “a recomendação da ciência para que haja uma proteção a todos aqueles que vão lidar com as crianças vão ser seguidas.” E as crianças? Como será para elas retornar às escolas nesse momento tendo que seguir tantas regras e restrições? Leia mais

Física quântica… salto quântico… cura quântica… coach quântico… afinal, o que é quântico?

The Quantum Postulate and the Recent Development of Atomic Theory (O postulado quântico e o recente desenvolvimento da teoria atômica), também chamado Como Lecture[1], é o artigo publicado pelo físico Niels Bohr, em 1927, tido como um dos principais na fundamentação da teoria quântica. Apesar dos quase 100 anos que datam o texto, a mecânica quântica ainda é uma área da física bastante movediça e de difícil compreensão (mesmo entre pesquisadores). Mas afinal, a despeito das ofertas de serviços e procedimentos estéticos que diariamente utilizam o adjetivo quântico como estratégia de validação científica e marketing, o que é a teoria quântica e por que ela é tão polêmica assim? Leia mais

A traição da colonialidade: uma perspectiva desde-colonial dos corpos caídos e mortos

Aqui, com o intuito de especificar a existência dessas personagens, mais uma vez quero fazer uso da metáfora do ready-made, no sentido amplo daquilo que (a) está feito e é ressignificado/desnaturalizado/desnormativizado e (b) da rememoração factual do banal olvidável, para pensar nos corpos caídos, as primeiras personagens, como aqueles pelos quais se luta, e nos corpos mortos, as segundas personagens, como aqueles que ao lutar aceitam morrer ou matar algo em si por suas causas. Leia mais

Democracia, educação e escola – desafios para driblar o senso comum e uma reflexão para a transformação concreta

Há mais de um século a educação é construída de forma institucional pelo estado brasileiro a partir da lógica republicana e nas últimas décadas tem ocorrido um esforço para a universalização do ensino público no país. Leia mais

Sobre a espiritualidade neoliberal

Já faz algum tempo que penso em escrever sobre esse tema, mas venho adiando por diversas razões. Agora, aproveito a deixa do dia internacional da yoga, que foi recentemente, em 21/07, quando diversas pessoas, simpatizantes ou praticantes de yoga, compartilharam em suas redes fotos de si mesmos fazendo asanas (posturas de yoga) e usando a hashtag #internationalyogaday (dia internacional da yoga). Leia mais

Educação Infantil e pandemia: algumas reflexões

Atualmente estamos passando pela maior crise humanitária da nossa geração. Começar o texto com essa frase me causa um grande impacto, pois, no final de dezembro de 2019, quando comecei a ter acesso a notícias sobre o coronavírus, não imaginei que a situação chegaria a esse ponto. A forma como… Leia mais

Lutas sociais em um mundo de selfies

Uma semana depois do brutal assassinato de George Floyd, manifestações cada vez maiores eclodem nos EUA, incendiando (literalmente) um país que mascara em diversas camadas suas profundas desigualdades. Se décadas atrás a imagem vendida pelo imperialismo estadunidense era o conhecido “sonho americano”, hoje a face supremacista que se esconde por debaixo desse sonho é exposta e posta em chamas pelas ruas do país. Evidentemente que mobilizações como estas no centro do capital global influenciam todo o mundo e, dias após os inícios dos protestos na terra do genocida Sam, atos começam a surgir em países europeus e na periferia do capitalismo, como é o caso do Brasil. Leia mais

O trenzinho caipira e outros trens do povão

A bordo do Trenzinho Caipira, seu Petrolino contemplava o Brasil profundo do interior (do seu coração). Com o vento acariciando o seu rosto, fechou os olhos enquanto (ou)via a paisagem. Sonhou o sonho que sempre sonhou. Inspirou(-se). Villa-Lobos regendo as cordas da sua expiração. O povão regendo o Villa-Lobos. Na partitura, o eco de quem plantou e o horizonte de quem vai colher. Mundo, mundo, vasto mundo, a rima é a solução. Clave de sol de cada dia o nosso pão. Saboreando doce de leite, seu Petrolino segura o pequeno barril com petróleo que sempre levava na bagagem e sorri. Apesar de amargar muitas derrotas, mantém doce a esperança. O Brasil é um sonho no pesadelo Brazil. Seu Petrolino não desiste do Brasil. Por isso, dribla e luta contra o Brazil. A Petrobrás (do povo, pro povo e com o povo) dos seus sonhos e das suas lutas é a embaixadinha do povão campeão. Leia mais

Pandemia, trauma e terapia psicodélica

A pandemia chegou como uma surpresa para a grande maioria de nós. Não podemos falar assim para todos, afinal, epidemio e infectologistas já alertam para o risco de um evento desse tipo há muitos anos (até mesmo Bill Gates já falou sobre isso). Sem falar nos autores de ficções científicas, e “preppers”, ou sobrevivencialistas. De repente, nos vimos em cenários dignos de filmes apocalípticos, de parábolas, de sonhos (ou pesadelos)… Nas últimas semanas, vivemos como que num outro estado de consciência. Leia mais

O tempo está se esgotando

No dia 2 de janeiro, um bombardeio dos Estados Unidos no aeroporto da capital iraquiana Bagdá matou o general Qassem Suleimani, chefe da Guarda Revolucionária Iraniana. Esse ato vai aumentar ainda mais a já grande tensão no chamado Oriente Médio. A Guarda Revolucionária faz mais parte do centro do poder no Irã do que as próprias forças armadas convencionais do país e o Suleimani era uma das pessoas mais importantes na estrutura de poder do Estado iraniano. Era um dos principais articuladores das ações geopolíticas do Irã, com grande influência na região, notadamente com o Hizbullah no Líbano, o Hamas na Faixa de Gaza (na Palestina), o Bashar Al-Assad na Síria, os houthis no Iêmen e com setores xiitas no Iraque. O Irã vai retaliar. Leia mais

Uma distopia nem tão distópica

“Poder, no mundo de Case, significava poder corporativo. As zaibatsus, as multinacionais que davam forma ao curso da história humana, haviam transcendido antigas barreiras. Vistas como organismos, haviam adquirido uma espécie de imortalidade. Não se podia matar uma zaibatsu assassinando uma dezena de executivos principais; havia outros esperando para subir de nível, assumir os cargos vagos, acessar os vastos bancos de memória corporativa” Leia mais

O sínodo pan-amazônico e a luta contra a privatização da Petrobras

No domingo 6 de outubro, começou, no Vaticano, o Sínodo Pan-Amazônico, organizado pela Igreja Católica. Essa grande assembléia de bispos com o papa vai até o dia 27 deste mês. Com raízes no Concílio Vaticano II, que foi uma série de encontros da igreja na primeira metade dos anos 1960 pra (re)conciliar a igreja com o povo e o seu tempo histórico, tendo como pano de fundo a teologia da libertação, que coloca a luta contra as injustiças sociais como parte fundamental da missão da igreja, o sínodo foi convocado pelo papa Francisco em outubro de 2017, como parte de sua política pra recolocar realmente a igreja como um dos principais atores geopolíticos, tanto pra fortalecer a instituição, que sofre grande concorrência de várias frentes, quanto pra, inclusive a partir desse reforço, influir mais diretamente e mais decisivamente nos rumos das nossas sociedades. A etimologia da palavra sínodo é caminhar juntos e, com esse simbolismo, o papa Francisco busca que a instituição e o povo caminhem juntos na busca por uma reconfiguração da organização da nossa casa comum, que é o planeta, na qual o catolicismo possa honrar a sua origem e tecer o universal com o pluriversal, entrelaçando, assim, os versos do grandioso e simples poema concreto que é a construção cotidiana, tanto pessoalmente quanto socialmente, do Reino de Deus na Terra. Quem participa dessa construção deve aliar a humildade de saber que se trata de uma utopia tecida por mãos imperfeitas e a dedicação pra sempre caminhar rumo ao belo horizonte, sabendo que, como bem definiu o escritor uruguaio Eduardo Galeano, quando nos aproximamos dele, ele, ainda que nos acolha, estará sempre mais adiante. Mais diretamente, nesse encontro, que contou, em sua preparação, com muitas pessoas da região amazônica, o que está sendo procurado é como a igreja pode se desenvolver melhor nessa parte do mundo e como pode contribuir pra que os povos desse território possam usufruir de vida, e vida em abundância. Leia mais

Bacurau e a metáfora da resistência popular

Volta e meia ouvimos pelas ruas, esquinas e bares a seguinte frase “o povo brasileiro é muito pacífico”. Ou algo relacionado com reações de apatia quando acontece algum escândalo vinculado à política institucional e seus representantes oficiais e políticos profissionais metidos em maracutaias e crimes de Estado desde sempre. É… Leia mais

O que acontece quando bolsistas resolvem se organizar?

Em agosto de 2017, um conjunto de bolsistas, preocupados com os cortes crescentes ao CNPq, feitos pelo governo Temer, e com o silêncio sepulcral do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), enquanto viam diversas outras instituições de ciência e tecnologia se manifestarem contra o corte, resolveram convidar os demais… Leia mais

Pra não dizer que não falei das flores… ou lendo a conjuntura a partir de ângulos diferentes

Nas últimas semanas vem acontecendo uma avalanche de notícias, declarações e ações do poder executivo e membros que comandam a política institucional do Brasil que tem deixado a sociedade num geral atônita. Muita gente tem reforçado o discurso moral contra o presidente, xingando, chamando-o de apelidos dos mais variados e… Leia mais

Se os petroleiros boicotassem o Santander

A hierarquia privatista da Petrobras concluiu no dia 13 de junho a privatização de 90% da sua subsidiária Transportadora Associada de Gás (TAG) pra transnacional franco-belga Engie, do ramo de energia, e pro fundo canadense Caisse de Dépôt et de Placement du Québec (CDPQ), também transnacional. Mais precisamente, a composição… Leia mais

Viva os povos indígenas!

Os resultados do primeiro turno dessa eleição foram preocupantes para todos e todas que tenham algum compromisso com uma transformação progressista da sociedade. Mesmo para aqueles e aquelas que, como eu, não acreditam no caminho institucional e buscam uma transformação radical da sociedade, os caminhos que se nos apresentam, mesmo… Leia mais

Future-se: a caminhada já avançada na privatização da educação e da ciência brasileiras

Querida/o companheira/o progressista, você, acadêmica/o, universitária/o, indignada/o com esse furacão de bosta que tem sido o governo Bolsonaro, esse texto é para você. Sabe o programa que o Ministro da Educação Abraham Weintraub lançou ontem, 17/07/2019, o Future-se? Programa de mercantilização das universidades federais que está sendo colocado como primeiro… Leia mais

Corte e privatização: o que será feito da ciência brasileira?

Hoje 15 de maio de 2019, é dia de mobilização unificada em defesa da educação. No final de abril, o ministro da educação, Abraham Weintraub, anunciou que cortaria 30% do orçamento de três universidades, UFF, UnB e UFBA. O motivo era ideológico: perseguição política contra a balbúrdia dessas universidades. Um… Leia mais

Eventos a vista no horizonte: primeira foto de um buraco negro é divulgada

Em 1915, com sua Teoria da Relatividade Geral, Einstein propôs a existência de um novo corpo celeste que possui características muito peculiares, capaz de “engolir” tudo que chegasse próximo o suficiente, inclusive a luz! Essa entidade dos sonhos de todos e todas que se interessam por cosmologia se chama Buraco Negro. Hoje, o Buraco Negro saiu da imaginação e chegou à realidade com a primeira imagem do horizonte de eventos de um Buraco Negro!

Leia mais

Arte, tecnologia e inteligência artificial – Entrevista com Julia Salles

p>Entrevista realizada com a pesquisadora e curadora Julia Salles durante a realização da Mostra Bug no Oi Futuro. Na entrevista Julia fala sobre as interfaces entre arte e tecnologia, os processos de curadoria, a pesquisa com inteligência artificial, os choques da fazer pesquisa e arte no Brasil e no exterior,… Leia mais

A Petrobras sendo transformada em Vale

Recado de retorno do Portal Autônomo de Ciências: estamos voltando com nossas postagens em 2019. A periodicidade dos textos passará a ser quinzenal para que possamos dar conta de continuar escrevendo e postando textos com qualidade. Boa leitura a todas e todos.   Texto publicado originalmente no dia 02/03/2019, por Antony Devalle… Leia mais

O Brasil está cada vez mais perto da doença usamericana

Texto publicado originalmente no dia 12/11/2018 por Antony Devalle no grupo de Facebook do grupo Inimigos do Rei   A vitória eleitoral do Bolsonaro pra presidente do Brasil tem sido comemorada por uma parte dos seus seguidores com demonstrações de violência explícita. Vou enumerar alguns exemplos: 1) um jovem publicou… Leia mais

Pra derrotar o pinochetismo made in Brazil dos Mercados Unidos é preciso derrotar o liberalismo

Texto publicado originalmente no dia 26/10/2018, às vésperas do segundo turno das eleições presidenciais por Antony Devalle no grupo de Facebook do Inimigos do Rei   Independentemente do candidato que vencer a eleição pra presidente do Brasil, quem vai continuar no cerne do poder político vai ser quem detém mais poder… Leia mais

A Distopia Dataísta

Se me pedissem para apontar uma obra ficcional que melhor retratasse a atmosfera esquizofrênica e distópica dessa nossa “realidade cyberpunk”, certamente seria Serial Experiments Lain, um clássico do gênero. Lain, a protagonista cujo nome batiza a série, é uma jovem que se vê cada vez mais integrada à Wire, referência à World Wide Web, mais tarde popularmente conhecida como Internet. A série se desenvolve em consonância com esse envolvimento da protagonista com a rede, aqui retratada como uma quarta dimensão espacial, um consenso geral estabelecido com suas particularidades sensoriais e resultado de um processo dialético entre o real e o virtual (e, consequentemente, a tentativa de sobreposição de um sobre o outro). Essa nova dimensão espacial é explicada fisicamente, no anime, pela Ressonância de Schumann. Essa introdução inicial foi apenas para justificar as imagens que ilustrarão esse texto. Leia mais

Mesa “As ciências brasileiras tem de fato reduzido as desigualdades” – 17/10/2018

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia de 2018 teve como tema “Ciência para redução das desigualdades”. Com intuito de trazer uma abordagem crítica sobre o tema, o Portal Autônomo de Ciências convidou os professores Virgínia Fontes e Jose Helayel para participarem da mesa com título: “As Ciências Brasileiras têm… Leia mais

E conhecereis a [pós]verdade, e a [pós]verdade vos libertará. JOÃO 8:32

“Quebrado o atual ciclo, com o Brasil livre do crime, da corrupção e de ideologias perversas, haverá estabilidade, riqueza e oportunidades para todos tentarem buscar a felicidade da forma que acharem melhor.”

De onde seria essa frase? Buscar a felicidade, quebrando o atual ciclo (qual?), ideologias perversas. Não dizendo a fonte dessa citação e somando o título do presente texto, num primeiro momento podemos até pensar que ela foi dita em algum púpito neopentecostal, com suas costumeiras pregações sobre a prosperidade, sobre a prometida felicidade eterna que encontraremos no além se seguirmos exatamente as ordes de Deus, afinal, é Deus acima de todos. Leia mais

As ciências brasileiras têm de fato reduzido as desigualdades?

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) é um evento de grande importância para as ciências e sobretudo para a popularização das ciências. Criada por um decreto do então presidente Lula, em 9 de junho de 2004, ela representa um espaço de divulgação dos diversos trabalhos de museus e centros de ciência por todo o Brasil. De acordo com a informação do próprio site da SNCT, ela : Leia mais

Tráfico cultural e repatriação em museus

A imagem de teaser desse texto foi tirada no país onde esse altar foi originalmente construído, certo? Errado. Trata-se do Altar de Pérgamon, que, apesar de ter sido construído em Pérgamon, na Turquia, foi expropriado pela Alemanha em 1886 para “evitar degradação” e permanece lá até hoje. Esse é só um dos inúmeros exemplos de artefatos, objetos e obras de arte roubadas ou obtidas de forma duvidosa pela Europa e EUA. Leia mais

Reforma do Ensino Médio, a placa de censura em nossos corpos diz: não recomendado a sociedade (II) – Precarização, flexibilização e formatação

Temer_MEC

Esse texto é a parte II sobre a Reforma do Ensino Médio. A primeira parte você pode acessar no link: http://cienciaeautonomia.org/2020/04/reforma-do-ensino-medio-a-placa-de-censura-em-nossos-corpos-diz-nao-recomendado-a-sociedade-i-escola-um-espaco-de-conformacao-ou-emancipacao/ Leia mais

Reforma do Ensino Médio, a placa de censura em nossos corpos diz: não recomendado a sociedade (I) – Escola, um espaço de conformação ou emancipação?

Eu quero fazer jornalismo… Eu quero ser professora, é o que eu amo… E eu, designer de games… Eu quero um curso técnico pra já poder trabalhar… Com o Novo Ensino Médio você tem mais liberdade para escolher o que estudar de acordo com sua vocação. É a liberdade que você queria para decidir o seu futuro. ” Leia mais

In Code We Trust (II) – A Tokenização

Em linhas gerais, podemos definir a tokenização como um processo que visa transformar ou substituir um ativo real (mesmo que digital) em um número gerado por algorítmos. Nesse caso, não só objetos podem ser tokenizados, mas cadeias de produção, gostos, relações e até pessoas. A tokenização é uma radicalização da mercantilização de tudo, atribuindo signos (tokens) mercantis próprios ao que se mercantiliza. A tokenização de tudo está apontando para o fim da era da informação, do compartilhamento, da internet e entrada na era do valor, onde cada serviço terá sua moeda/token próprio e tudo funcionará na base de micro-pagamentos e recompensas. Leia mais

As belas épocas burguesas e gentrificação no Rio (1/2)

La Belle Époque, em francês “Bela época”, foi uma expressão artística e cultural nascida na Europa no final da Guerra Franco-Prussiana e durou até meados de 1914, durante a eclosão da primeira guerra mundial. O período foi marcado por umdesabrochar da cena cultural, avanço da tecnologia e efervescência de novas concepções filosfóficas e políticas. O cinema surgiu nessa época junto ao cancan, os cabarés, mais adiante, os meios de comunicação e transporte. Leia mais

O Pântano legal da privatização da ciência, tecnologia e inovação

E se eu te dissesse que funcionários públicos em dedicação exclusiva estão usando um quinto de sua carga horária para trabalhar para empresas privadas, sem diminuição de salário nem perda de benefícios? E se prédios e infraestrutura públicos forem cedidos sem contrapartidas financeiras para empresas privadas, não só nacionais e… Leia mais

Pirataria Científica – Usando o Sci-Hub para burlar os bloqueios de revistas científicas

No mundo contemporâneo, as tecnologias avançam mais rápido do que muitos de nós conseguem acompanhar. O que hoje é cotidiano para muitas pessoas, em termos de tecnologia, há poucos anos era completamente inacessível à maioria. O celular é um bom exemplo: lançado pela primeira vez em 1984, o primeiro celular… Leia mais

A ética dos comitês de ética em pesquisa

“Ihh, esse comitê de ética em pesquisa implica com os projetos. Você conhece alguém de dentro do comitê para agilizar o processo? Pode prever uns 3 meses antes do parecer” “Pergunta pro fulano que já submeteu projeto lá como é” “Ahh, tal comitê de ética é tranquilo, eu conheço os… Leia mais

Educação Infantil: breve histórico e reflexões

Ao começar a escrever este texto foi inevitável não recordar de como cheguei ao campo da Educação. Minha formação é em Pedagogia, curso que fiz na PUC-Rio (2006 – 2010). Iniciei a graduação sem muita certeza sobre o caminho profissional que queria seguir, quando, após a realização dos quatro estágios obrigatórios do curso, a curiosidade sobre as crianças e as práticas escolares passou a habitar o meu repertório de interesse. Com a realização dos estágios, especialmente os que foram em turmas de Ensino Fundamental e Educação Infantil, tive a oportunidade de elaborar relatórios, descrevendo o cotidiano escolar do qual estava participando. Dessa forma, o interesse pela observação, descrição e reflexão dos fenômenos que ocorriam em sala de aula se tornou uma constante. Leia mais

Por uma política de preços de derivados popular e anti-privatista

A paralisação de caminhoneiros, de 21 de maio a 31 de maio, marcou parte do cotidiano em muitas partes do Brasil, com filas extensas de caminhões em várias rodovias, bloqueios em alguns pontos, desabastecimento parcial de muitos itens, inclusive alimentos (o que dificultou muito a chegada de ingrediantes pra preparação da merenda nas escolas municipais do Rio de Janeiro e acarretou a suspensão das aulas nesses estabelecimentos, por exemplo). O debate sobre a caracterização desse movimento é importante. Mas seja uma greve, seja um locaute (uma paralisação orquestrada por patrões), seja um pouco de cada, em maior ou menor grau pra cada lado, colocou como uma pauta de destaque, de modo bem direto, a atual política (notemos bem: política) de preços de combustíveis, que a hierarquia da Petrobras apresenta como técnica (notemos bem que a intenção é fazer parecer que não é política), e, de modo indireto (mas um indireto bastante direto), a relação entre essa política de preços e a privatização da Petrobras (mais precisamente, o aprofundamento aceleradíssimo dessa privatização, pois ela não começou agora). A greve parcial dos petroleiros, de 30 de maio a parte do dia 1º de junho (o momento de saída da greve não foi o mesmo em todos os locais), teve um papel de destaque na politização (no bom sentido da palavra) da pauta dos preços dos combustíveis, ao relacionar didaticamente a política de preços dos combustíveis (e não apenas do diesel e da gasolina, mas também do gás de cozinha, por exemplo) com a privatização da Petrobras, especialmente das refinarias, e até com a transformação da Petrobras de uma empresa integrada de energia pruma exportadora de óleo cru. Ambas as paralisações foram também, tendo sido ou não a intenção dos seus autores (ou pelo menos de parte deles), uma aula prática sobre como a logística e o petróleo (e, de modo mais amplo, a energia) são especialmente estratégicas. Dito de outra forma, que a vida das pessoas, principalmente do povão, depende muito das políticas em torno da logística e da energia. Leia mais

As Organizações Sociais na privatização da saúde, ciência e tecnologia

O cenário político atual do contexto brasileiro está cada vez mais alarmante. De uns anos para cá, não faltam notícias preocupantes no quadro nacional. Para citar algumas, podemos falar de condução coercitiva de reitores de universidades federais, criminalização e banalização de movimentos sociais (notícias sobre arquitetura do prédio e sua história ganham mais importância do que as dezenas de vidas perdidas nessa tragédia e, para além disso, a necessária reorganização do espaço humano), intervenção militar no Estado do Rio de Janeiro, reformas educacionais idealizadas por bancos internacionais e indústrias petroleiras, desmonte e privatização de órgãos públicos e, mais recentemente, uma possível audiência pública na câmara dos deputados, em Brasília, para apurar uma suposta perseguição a estudantes evangélicos nas universidades públicas (fato político construído na UFF com a parceria de neonazistas). Se o Brasil atual não é um país em estado de exceção, caminhando a passos largos ao totalitarismo, não sabemos o que é. Entretanto, devemos nos perguntar: de onde vem as motivações, incentivos e suporte (ideológicos, estruturais e financeiros) para esse desmonte do Estado brasileiro? Leia mais

O Senhor [Mercado] é meu pastor, nada me faltará

“O script de uma carreira no mercado de emprego formal — para quem teve a sorte do acesso a uma educação de qualidade — envolvia, até então, escolher uma profissão, caprichar em uma formação na área, procurar vagas, se dedicar a compreender a dinâmica de processos seletivos. […] Estudiosos dizem que, se antes deveríamos aprender certos conteúdos, agora precisamos aprender a aprender novos conteúdos, já que novos conhecimentos surgem com grande velocidade e trabalharemos por mais anos.” Leia mais

In Code We Trust (I) – A blockchain entre a hype e o ceticismo

Em seu livro “Dívida: Os primeiro 5000 anos” David Graber relata a história de um soldado britânico[1] em Hong Kong, na década de 50, que certa vez pagara sua conta no bar com um cheque inglês. Um dia o soldado encontrou seu cheque nas mãos de um vendedor local, com várias pequenas rasuras no papel. Sem possibilidade de utilização, à princípio, os mercadores começaram a trocar o papel entre si, acrescentando suas assinaturas, sinal da confiança depositada nesse processo. O autor conclui logo em seguida que o valor da unidade da moeda não é o valor do objeto, mas a medida da confiança de uma pessoa em outra. O elemento de confiança no curso, continua o autor, é o que dificulta mais ainda a posição Chartanista – do Latim Charta, símbolo ou token – de fazer com que as pessoas continuem acreditando nesse charta. Mais ainda se falarmos no estabelecimento dessa confiança em escala global. Leia mais

A incorporação de novas práticas integrativas no SUS — A crítica para além da cientificidade

Em março de 2018 o então ministro da saúde, Ricardo Barros, anunciou um decreto que incluía 10 novas práticas integrativas e complementares (PIC) ao rol das 19 já utilizadas no Sistema Único de Saúde (SUS). Apiterapia, aromaterapia, bioenergética, constelação familiar, cromoterapia, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozonioterapia e terapia de florais passaram a compor a lista junto com ayurveda, homeopatia, medicina tradicional chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia e yoga. O argumento defendido pelo ministro é que essas práticas são importantes na prevenção e promoção à saúde, ou seja, que se pode economizar verbas públicas ao evitar que as pessoas fiquem doentes. Leia mais

Sobre a importância da contextualização das ciências

“A ciência brota de nossos livros universitários, como que em passes de mágica, induzindo-nos a crer que Newton tirou de sua cartola o conjunto de leis que sintetizaram toda a ciência de milênios. Este abracadabra faz surgir diante dos alunos, pronta e reluzente, a relação F=ma, antes mesmo que a maçã de Newton toque o chão! É uma visão mágica de ciência que nos fez sonhar, durante essas últimas cinco décadas, com os fantásticos gênios e suas descobertas maravilhosas. Leia mais